Que site bonito! Mas porquê?

 Certamente já passou horas a fio a navegar num website sem saber explicar concretamente qual foi mesmo o seu real motivo. O conteúdo se calhar nem era assim tão interessante, mas mesmo assim foi cativado a conhecer e a visitar as ‘profundezas’ das páginas que lhe foram surgindo. Por outro lado, já acedeu também a sites em que só a apresentação inicial o levou subitamente e rapidamente a fechar a respetiva página.

design elegante

Este inesperado interesse ou ausência do mesmo pode estar relacionado com o conteúdo do próprio website em questão, mas não só: existem particularidades e mecanismos que aos nossos olhos parecem ‘invisíveis’, mas que levam o utilizador comum a permanecer num determinado sítio online. Um website bem constituído (normalmente por uma agência) assemelha-se à construção de um produto físico: existe uma multidisciplinariedade de saberes e conhecimentos ao nível de Design, Marketing, Engenharia e até mesmo de Psicologia (ao nível de experiência de utilização), que são aglomerados e trabalhados em conjunto para proporcionar um resultado final que consiga servir os objetivos da sua criação, mas também que consiga cativar um potencial cliente.

Os conceitos de UX (Experiência de Utilizador) e UI (Interface de Utilizador) têm vindo a ganhar uma ênfase notória neste paradigma e a estabelecer-se como um critério determinante a ser explorado por Designers e Webmasters. Embora exista uma ligação contínua entre ambos os termos, estes devem ser distinguidos. O conceito de UX remete-nos para o prazer da navegação, isto é, um processo que pretende aumentar a satisfação do utilizador com o sítio online, melhorando a usabilidade e a facilidade com que se navega entre as páginas. Este concede-nos uma sincronização dos elementos que afetam a nossa experiência, sendo com isso possível influenciar comportamentos. Um exemplo deste conceito é o modo de personalização dos ‘call to action’ (botões para chamar a atenção) que utilizam expressões tentadoras como “teste grátis”. Já o termo UI, invoca-nos para a interface de utilização propriamente dita, também chamado “front-end”, ou seja, é responsável por toda a concepção de uma página ou tela. Um exemplo de decisão num processo UI é a criação de um sistema de acesso ao utilizador registado e localizado na margem superior de uma página.

O modo de aplicação destes conceitos pode ser analisado a partir de variadíssimos exemplos, como o simples caso de um automóvel: o UI diz respeito a toda a parte física do mesmo, tal como a arquitetura dos vidros ou os tipos de pneus; enquanto o UX é o responsável pelo prazer proporcionado ao dirigi-lo. Num mercado digital cada vez mais competitivo, fazer o melhor uso destas duas componentes é uma tarefa cada vez mais imprescindível para um portal que pretenda fazer a diferença na hora de escolha para o cliente.

E se quiser saber mais, poderá sempre entrar em contacto:

Tiago Silva

Web Marketing

YCORN®

 



Terça, Junho 7, 2016

« Voltar